Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até quando abusarão da nossa paciência?

Segunda-feira, 28.02.11

 

Estas declarações do Ministro das Finanças demonstram três coisas: 1) o assumir do falhanço total do Governo no controlo da despesa, ao contrário do que se tinha obrigado; 2) um dramático pedido de ajuda à União Europeia a quem se atribuem desde já as culpas pelo facto de o esforço nacional no controlo do défice ser em vão; 3) o anúncio de novas medidas de austeridade, uma vez que, continuando o Estado a gastar à tripa forra, é manifesto que as actuais são insuficientes. Como serão as novas e as que ainda hão-de vir enquanto este Governo se mantiver em funções.

 

Em consequência, confirma-se que os portugueses só podem esperar deste governo mais recessão e sacrifícios impostos à força, absolutamente em vão pois a despesa do Estado não para de aumentar. À semelhança de Cícero contra Catilina, acho que é altura de o PSD repetir a frase clássica: "Quosque tandem abutere patientia nostra?"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 12:24





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728

Visitas

free hit counter




comentários recentes

  • Anónimo

    Tinha que vir a homofobia.

  • Jorge Mra

    Ele foi 1º ministro numa situação esdrúxula visto ...

  • Anónimo

    Este syntagma é danado. Não gosta do Santana flope...

  • Anónimo

    Esta é a versão portuguesa da lei de Godwin?

  • Anónimo

    Julgávamos que o D Sebastião tinha morrido em Alcá...

  • Anónimo

    O amigo anónimo do syntagma nem faz ideia do que o...

  • Anónimo

    estude anónimoe muito fácil baixar de 11% . É cort...

  • Anónimo

    Discordo em absoluto. Se o meu caro syntagma expli...

  • Jaime Menezes

    Ontem vi e ouvi, uma estranha (ou talvez não) comé...

  • Anónimo

    E pronto, a sua experiência pessoal refuta as expe...