Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Viagem ao Egipto (20).

Domingo, 29.01.17

IMG_1144.JPG 

Para concluir estes já longos apontamentos da minha viagem ao Egipto, falta falar dos colossos de Mémnon. Estes colossos são tudo o que resta do que se julga ser um gigantesco templo funerário construído pelo Faraó Amenófis III, cuja entrada era guardada por estes dois enormes colossos. Mas o templo foi sucessivamente destruído pelas cheias do Nilo e pela invasão das areias, restando apenas os colossos. Estes mesmos, porém, ainda ruiriam parcialmente antes da nossa era por um terramoto ocorrido em 27 a. C., que abriu uma fenda na cabeça de um dos colossos.

IMG_1152.JPG

Essa fenda causou, porém, um fenómeno estranho, já que a estátua passou a cantar ao amanhecer, segundo se julga devido a um fenómeno de concentração de humidade dentro da fenda, que seria expelida com o surgimento dos raios do sol. Por isso, os gregos passaram a associar a estátua a Mémnon, herói da guerra de Tróia. Segundo Homero refere na Ilíada, Mémnon era um rei etíope, que levou um exército para Tróia, em ordem a defender Príamo da invasão grega. No entanto, foi morto por Aquiles em vingança pela morte do seu companheiro Antíloquo. Por isso, depois da sua morte, a sua mãe Eos, a deusa da aurora, passou a chorar a morte do filho todos os dias à alvorada. Em resultado disto, até o nome de Amenófis III deixou de estar associado a estas estátuas, a benefício de uma nova mitologia.

IMG_1146.JPG

Mas o choro de Eos duraria apenas duzentos anos, um instante na história milenar do Egipto, uma vez que o imperador romano Septímio Severo, em 199 d.C., mandou reparar a fenda na estátua, que desde então nunca mais cantou.

IMG_1147.JPG

Olhando para estes colossos, tem-se a verdadeira sensação da eternidade. Como dizia Camões: "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Muda-se o ser e muda-se a confiança. Todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades". Estes colossos foram construídos em homenagem a um faraó, foram destruídos, passaram a cantar, foram associados a um herói grego, deixaram de cantar, e aqui agora permanecem, como testemunhos de um tempo perdido, cuja busca agora termina.

 

Finis

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:10

Viagem ao Egipto (19).

Sexta-feira, 27.01.17

DSC00551.JPG

Muito perto do Vale dos Reis, encontra-se o templo da rainha Hatchepsut, a única mulher que assumiu no Egipto a dignidade de faraó. Mulher de Tutmés II, quando ele morreu, em lugar de se limitar a assumir a regência em nome do seu enteado Tutmés III, decidiu ela própria coroar-se faraó, passando a governar o país. 

IMG_1130 2.JPG

Em sua homenagem foi construído este magnífico templo, estando a rainha representada como qualquer outro faraó, incluindo com uma barba postiça.

DSC00566 2.JPG

O reinado de Hatchepsut não foi, no entanto, aceite pelo seu enteado, Tutmés III, que, quando lhe sucedeu, mandou apagar todas as representações da madrasta, querendo eliminar o seu reinado da memória colectiva. Tanto foi assim que o calendário que mandou elaborar transita directamente do reinado de Tutmés II para o de Tutmés III, apagando à maneira orwelliana o reinado de Hatchepsut da história do Egipto.

DSC00584.JPG

Tutmés III não se atreveu, no entanto, a desafiar os sacerdotes, destruindo o templo que a rainha tinha querido construir. E assim este magnífico templo permanece até aos nossos dias, recordando para a posteridade a corajosa história de uma mulher se atreveu a assumir um cargo até então reservado aos homens.

DSC00573.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:20

Viagem ao Egipto (18).

Quarta-feira, 25.01.17

DSC00200.JPG

Constitui um absoluto fascínio visitar o Vale dos Reis, onde se encontram os túmulos dos faraós entre a XVIII e a XX dinastia. Infelizmente é totalmente interdito tirar fotografias deste local, talvez o mais precioso da arqueologia egípcia. Aqui foram encontradas as múmias dos grandes faraós, incluindo Ramsés II, hoje na sala 52 do museu do Cairo, e foi encontrado em 1922 inviolado o túmulo de Tutankhamon, também no museu do Cairo. 

DSC00201.JPG

Desde sempre se ficou a pensar que, se o túmulo de um faraó tão pouco importante tinha tantas riquezas, que verdadeiros tesouros esconderiam os túmulos dos grandes faraós?

DSC00203.JPG

No Vale dos Reis é permitido entrar em três túmulos. Os mesmos estão escavados na rocha e desce-se a grande profundidade até à cripta onde o faraó repousava. Os egípcios fechavam os sarcófagos em três recipientes de pedra, madeira e ouro, todos enchidos de areia. Assim, a múmia ficava envolvida numa atmosfera de 20,9% de oxigénio, 78,1% de azoto e 1 por cento de humidade, sendo que cinco anos depois, o oxigénio caía para 1,2%, matando todos os fungos e micróbios. As múmias ficavam assim conservadas para a eternidade, podendo durar milhões de anos, se os egiptólogos não tivessem vindo perturbar este repouso. E hoje são os turistas, vindos dos quatro cantos do mundo, a entrar no que deveria ser a morada eterna dos faraós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:15

Viagem ao Egipto (17).

Domingo, 22.01.17

IMG_1120.JPG

A apenas alguns quilómetros do templo de Karnak, encontra-se o templo de Luxor, que já só conseguimos visitar de noite. É um templo magnífico, que tem a curiosidade de ter estado séculos enterrado debaixo das areias, tanto assim que acima do mesmo foi construída uma mesquita. Após a redescoberta do templo no séc. XIX, a mesquita mantém-se, estando situada a um plano superior.

IMG_1041.JPG

Igualmente dedicado ao deus Amon e à sua esposa Mut, o templo foi iniciado por Amenófis III, mas a parte mais importante foi construída pelo sempre presente Ramsés II. 

IMG_1087.JPG

À entrada possuía dois grandes obeliscos, cujos hieróglifos extremamente bem conservados retratam os grandes feitos deste faraó, mas um dos obeliscos foi, como se referiu, trocado por um relógio de torre que nunca funcionou, e hoje encontra-se na Place de la Concorde em Paris. É inacreditável que este magnífico templo esteja mutilado de uma das suas peças principais. A França que devolva o obelisco de Luxor a Luxor e já. 

IMG_1009.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:51

Viagem ao Egipto (16).

Sábado, 21.01.17

DSC00503.JPG

Continuando a descer o Nilo, chegamos quase ao pôr do sol ao templo de Karnak, dedicado ao grande deus Amon. Uma vez que se iniciou a construção deste templo no ano de 2.200 a.C., mas só foi terminado no ano 360 a.C., é o equivalente egípcio às nossas obras de Santa Engrácia, ainda que com muito maior dimensão temporal.

DSC00505.JPG

É um templo imponente, guardado para a eternidade por duas enormes fileiras de esfinges, só que desta vez com cabeça de carneiro, que correspondia à forma tradicional de representação do deus Amon. Olhando para esta estranha série de leões com cabeça de carneiro, não pude deixar de pensar no célebre cão Cérbero da mitologia grega, que guardava o reino dos mortos, despedaçando os que tentassem de lá sair. E as estátuas quebradas no interior do templo dão-nos esta sensação de que o tempo foi inexorável para aqueles que tentaram ir-se da lei da morte libertando.

DSC00536.JPG

Mas lá dentro, como não podia deixar de ser, encontra-se, bem conservada, mais uma gigantesca estátua do maior faraó do Egipto, o grande Ramsés II, como sempre com a sua esposa preferida, Nefertari, aqui representado como Osíris. É claro que, no templo do grande deus Amon, teria que estar uma estátua deste grande faraó, que seguramente alcançou a eternidade, olhando desafiante para os visitantes que aqui vêm perturbar o seu sossego de milénios. 

DSC00514.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:12

Viagem ao Egipto (15).

Quinta-feira, 19.01.17

DSC00444.JPG

Continuando a descer o Nilo, chega-se de madrugada a Edfu, onde se encontra o templo dedicado a Hórus, o deus-falcão, que simboliza o poder da vingança. Efectivamente, de acordo com a religião egípcia, Osíris, o deus da vida e rei do Egipto, seria assassinado por seu irmão Seth, o deus do deserto, que lhe roubaria o trono, abandonando o seu corpo despedaçado no Nilo. Mas a sua mulher Ísis reconstituiria o corpo, conseguindo gerar postumamente um filho, Hórus. Este resolve terminar com o reinado maléfico de Seth, devolvendo a ordem ao Egipto e concretizando a ressurreição de Osíris. O mito simboliza a eterna luta do bem e do mal, sendo que o termo Seth está na origem da palavra Satã, que simboliza o diabo nas três grandes religiões. Para além disso, a luta do sobrinho contra o tio, para recuperar o trono roubado ao pai, está na base da obra imortal de Shakespeare, Hamlet.

DSC00474.JPG

Curiosamente, a imagem de Hórus, que era um deus bom, assustaria imenso os cristãos, que ocuparam este templo após o édito de Tessalónica, que proibiu os templos pagãos. Julgando que Hórus representava o diabo, os cristãos picavam a sua imagem, não sabendo que o verdadeiro diabo era Seth, depois Satã. Mais uma vez, verifica-se ser verdadeira a célebre capacidade do diabo de enganar as pessoas.

DSC00484.JPG

Por este templo andou Gulbenkian, sendo que as fotografias que aqui tirou serviram de modelo à estátua que está hoje na Fundação, na Praça de Espanha. Justifica-se por isso tirar uma fotografia semelhante para a posteridade.

DSC00454.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:21

Viagem ao Egipto (14).

Terça-feira, 17.01.17

DSC00400.JPG

Descendo o Nilo a partir de Assuão chega-se 40 quilómetros depois, já de noite a Kom Ombo, onde se encontra o único templo dedicado a dois deuses, o deus falcão Hórus e o deus crocodilo Sobek. Também é um templo mais recente, já da época ptolomaica, expressando as suas colunas uma clara influência greco-romana.

DSC00417.JPG

O templo conserva, no entanto, em profundidade a mitotologia egípcia, com os seus dois deuses a travar a eterna luta do bem e do mal, simbolizada no combate entre o falcão e o crocodilo, prestando, no entanto, o faraó vassalagem a ambos.

DSC00419.JPG

Ao lado do templo, encontra-se um museu do crocodilo, onde se encontram múmias de crocodilos, demonstrando que os egípcios até esses animais pretendiam conservar para a eternidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 05:23

Viagem ao Egipto (13).

Segunda-feira, 16.01.17

DSC00281.JPG

Um outro templo que ficou alagado pela barragem de Assuão foi o templo de Ísis, na ilha de Philae, o qual teve por isso que ser desmontado e reconstruído na ilha vizinha de Agilka, a cerca de 300 metros de distância. Trata-se de um templo da época ptolomaica, desenvolvido depois da ocupação romana, pelo que são visíveis as influências greco-romanas.

DSC00289.JPG

Consta que a célebre rainha Cleópatra se dirigia a este templo para prestar adoração à deusa Ísis, tendo permanecido no templo o altar dedicado à deusa.

DSC00305.JPG

Mas a célebre Cleópatra, que conseguiu seduzir sucessivamente Júlio César e Marco António, transformando-os em aliados do seu Egipto, já não conseguiria seduzir Augusto, que a derrotaria, levando-a ao suicídio. O Egipto tornar-se-ia assim uma simples província romana, tendo, no entanto, este templo permanecido para os fiéis da religião egípcia, cada vez mais esmagados pelo poder romano. Ao lado foi construído um templo dedicado a Trajano, o imperador que levou o império romano à sua maior extensão.

DSC00339.JPG

Depois, a difusão do cristianismo foi fatal para a religião egípcia. A 27 de Fevereiro do ano 380 o imperador Teodósio I estabelece o édito de Tessalónica, que decreta o cristianismo como religião oficial do império mandando fechar todos os templos pagãos. Assim, os fiéis de Ísis foram perseguidos, e a própria escrita egípcia, anteriormente gloriosa, desapareceu. Encontra-se precisamente neste templo o último texto escrito na escrita hieroglífica, datado de 24 de Agosto de 394 d. C., numa altura em que seguramente o seu autor já estaria a ser alvo de perseguições. A roda da história é implacável para com os povos vencidos, restando-nos hoje apenas os velhos monumentos para recordar o seu passado glorioso.

DSC00306.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:05

Viagem ao Egipto (12).

Domingo, 15.01.17

DSC00373.JPG

A partir de Assuão pode fazer-se uma viagem por estrada a Abu Simbel, situada junto à fronteira com o Sudão. É uma viagem de ida e volta de 600 km através do deserto do Saara, que se tem que fazer numa manhã, mas vale a pena. Sai-se de madrugada e vê-se o nascer do sol no deserto, comprando um café quente numa banca à beira da estrada, para afastar o frio.

DSC00377.JPG

 Abu Simbel foi um dos templos que ficou submerso com a barragem de Assuão, tendo sido salvo devido à intervenção da UNESCO. A intervenção foi complexa, uma vez que se tratava de um templo escavado numa montanha. A solução foi fazer mais recuadamente uma montanha artificial com uma estrutura de ferro, para onde depois foram transferidas as estátuas. O resultado foi excelente, uma vez que todos os monumentos foram conservados, mantendo-se o espírito original.

DSC00382.JPG

Os templos são dois, sendo o maior dedicado a Ramsés II, com os grandes colossos, todos representando o faraó, e o segundo, mais pequeno, dedicado à rainha Nefertari. Ramsés II teve várias esposas, mas a sua favorita foi sempre Nefertari, nome que significa precisamente a mais bela ou a mais perfeita. Nefertari era uma princesa núbia, cujo casamento com Ramsés II trouxe a paz entre o Egipto e a Núbia, paz essa que se julga ter sido simbolizada em Abu Simbel, com os dois magníficos templos. Mas os templos simbolizam principalmente a história de amor entre o faraó e a sua rainha, que ainda hoje é proclamada aos visitantes, milhares de anos passados.

DSC00388.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:46

Viagem ao Egipto (11).

Sábado, 14.01.17

DSC00351.JPG

Um dos mais belos inícios de um romance em língua portuguesa é o de Luandino Vieira, De Rios Velhos e Guerriheiros: "Conheci rios. Primevos, primitivos rios, entes passados do mundo, lodosas torrentes de desumano sangue nas veias dos homens. Minha alma escorre funda como a água desses rios". Eu também conheci muitos rios, primevos, primitivos, entes passados do mundo, mas nenhum se compara ao Nilo.

DSC00396.JPG

O Nilo não é apenas o maior rio do mundo  em extensão — já em volume de água é ultrapassado pelo Amazonas — como também é um rio absolutamente único, cujas características espantavam os antigos. Em primeiro lugar desce de Sul para Norte. Depois, uma vez juntos o Nilo Branco e o Nilo Azul, já não tem afluentes, dividindo-se num enorme delta antes de chegar à foz. E a sua cheia não coincidia com as cheias dos outros rios que desaguam no Mediterrâneo. Enquanto nestes a cheia é no Inverno, secando o rio no Verão, no Nilo a cheia era em Julho, no pico do Verão, altura em que a água alagava os campos tornando-os férteis sob uma temperatura de mais de 40 graus. A explicação é que era nessa altura que surgiam as grandes chuvas tropicais no centro da África, levando a que o rio enchesse, provocando inundações a milhares de quilómetros de distância.

 

Por isso os egípcios entoavam hinos à cheia do Nilo como nos excertos seguintes:

 

"Salve ó Nilo, que sai da terra e vem vivificar o Egipto

de natureza misteriosa, tenebroso em pleno dia!

A sua saída canta-o,

ele que faz viver todo o gado,

ele que sacia o deserto

quando a água distante aparece (…)".

 

"Ele traz a sua plenitude e nenhum dique se ergue à sua frente.

Ele atingiu as montanhas,

senhor dos peixes, com muitos pássaros

[Ele traz] todos os seus [produtos] úteis.

Ele é alimento e todos os corações estão doces (…)

(recolhidos em Luís Manuel de Araújo, Mitos e Lendas do Antigo Egipto, págs. 103 e 107)

 

DSC00257.JPG

Hoje tudo isto acabou. O Nilo, que nenhum dique impedia, está hoje represado pela grande barragem de Assuão, que criou o Lago Nasser com 550 Km de comprimento e 5250 km2 de área, seguramente o maior lago artificial do mundo. E assim, para além de ter alagado importantíssimos sítios arqueológicos, esta barragem terminou com a cheia do Nilo, que existia desde a antiguidade. Na verdade, o homem tudo faz para vergar a Natureza à sua vontade e nem o maior rio do mundo lhe consegue resistir.

DSC00261.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 10:39


Pág. 1/3








comentários recentes

  • Pedro S

    O Passos Coelho é o melhor que nos podia ter acont...

  • Joao Asseiceiro

    Segredo de Justiça precisa-se.

  • meidinemqualquerlado

    Ó meu, andas a fumar daquela coisa, hem? Obviament...

  • a carvalho

    Estas acusações pafiosas cheiram mal que tresandam...

  • ANTONIO

    E DIGO SO NESTAS ALTURAS APARECE OS ESPERTOS A FAZ...

  • SerranoOnline

    Começo por aplaudir o post que considero ser dos m...

  • Herói do Mar

    João Ferreira Dias escreveu: "Porque o anterior Pr...

  • Anónimo

    O ministro da Agricultura já Foi Ministro da Mesma...

  • Makiavel

    "E finalmente, fiquei a pensar como foi possível o...

  • HD

    Já nem percebe nada desta parceria conveniente :)




subscrever feeds