Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os órgãos de soberania no Facebook.

Segunda-feira, 08.08.11

Já tinha achado bastante original o hábito de o Presidente da República publicar sistematicamente mensagens no  Facebook sobre assuntos de Estado. Parece, no entanto, que o exemplo faz escola e agora é o Primeiro-Ministro que também nos presenteia com uma mensagem no Facebook. A mensagem pretende ser apenas "uma pequena reflexão de Verão", mas é verdadeiramente um discurso de Governo. Nesse discurso, começa-se logo por salientar que "o ritmo de tomada de decisões que nos impusemos, bem como a nossa imperiosa necessidade de cumprir os acordos a que o País se comprometeu têm vindo a impor uma agenda exigente que eu encaro como o nosso Grande Desafio como nação e como povo". E o Primeiro-Ministro declara expressamente: "Não me comprometo com resultados rápidos nem com sacrifícios suaves. Não seria realista. Mas não duvido que, passada esta profunda e longa tempestade, teremos um país muito mais bem preparado para compreender, competir e vencer num mundo que assiste diariamente a importantes transformações".

 

O tom discursivo desaparece, porém, logo em seguida quando o assunto da mensagem se transforma afinal em o Primeiro-Ministro ir gozar uns dias de férias com a família, como é seu direito. Nessas férias procurará naturalmente, como qualquer cidadão, "aproveitar intensamente o tempo disponível: afinal é nas situações mais simples que podemos encontrar os momentos de maior felicidade". Agora a mensagem deixa de ser um discurso político e assume mesmo um tom intimista e pessoal, tanto assim que termina com "um abraço forte e continuação de um bom Verão".

 

As redes sociais têm vindo a assumir-se como um extraordinário meio de comunicação entre as pessoas e desde a eleição de Obama que provaram ser igualmente um óptimo instrumento de comunicação política. Tenho, porém, as maiores dúvidas sobre a eficácia da sua utilização por parte de Governantes. Um Primeiro-Ministro que fala sobre o "nosso Grande Desafio como nação e como povo" e sobre os "sacrifícios" que não serão "suaves", não deve no momento seguinte falar das suas próprias férias. E muito menos deve desejar a "continuação de um bom Verão", quando se sabe que as insolvências que diariamente são noticiadas levarão a que muitos portugueses cheguem ao fim deste Verão sem emprego. Uma comunicação aos cidadãos do Primeiro-Ministro deve ter uma solenidade própria, não devendo ser confundida com as mensagens que diariamente trocamos com os nossos amigos no Facebook.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 00:26





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Visitas

free hit counter




comentários recentes

  • Anónimo

    Este syntagma é danado. Não gosta do Santana flope...

  • Anónimo

    Esta é a versão portuguesa da lei de Godwin?

  • Anónimo

    Julgávamos que o D Sebastião tinha morrido em Alcá...

  • Anónimo

    O amigo anónimo do syntagma nem faz ideia do que o...

  • Anónimo

    estude anónimoe muito fácil baixar de 11% . É cort...

  • Anónimo

    Discordo em absoluto. Se o meu caro syntagma expli...

  • Jaime Menezes

    Ontem vi e ouvi, uma estranha (ou talvez não) comé...

  • Anónimo

    E pronto, a sua experiência pessoal refuta as expe...

  • Anónimo

    Foi um grande empresário que construiu um império ...

  • Anónimo

    inteiramente de acordo. o inferno esta de parabens...