Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A redução do salário dos políticos.

Quarta-feira, 09.06.10

Continuo a achar que este Governo, com a série de medidas contraditórias que constantemente anuncia, não tem a credibilidade necessária para exigir ao País os sacrifícios que vão ser necessários nos próximos tempos. Há um ponto, porém, em que o Primeiro-Ministro tem razão, e que respeita à redução do salário dos políticos. Trata-se, como ele referiu, de uma medida apenas simbólica e que não vai ter qualquer efeito prático, a não ser a de contribuir demagogicamente para o descrédito da classe política, que já é muito acentuado. Na verdade, para ter qualquer eficácia na redução da despesa pública, o corte teria que abranger todos os salários dos funcionários públicos, como está a ser praticado noutros países, e provavelmente até teria que ser muito superior a 5%.

 

Ao se ter limitado essa redução ao salário dos políticos, agravou-se naturalmente a disparidade dos seus salários com os que são praticados no sector privado, levando a que cada vez mais pessoas deixem de ter qualquer interesse em exercer cargos de natureza política. Mas, como aqui se refere, agora ainda se vai ao ponto de excluir dessa redução cargos de confiança política, como assessores e adjuntos dos gabinetes ministeriais, dando assim uma imagem de que os políticos têm que dar o exemplo, mas esse exemplo nem sequer é seguido nos seus próprios gabinetes.

 

Esta situação faz-me lembrar este episódio da série Yes, Prime Minister, em que Sir Humphrey consegue ultrapassar as objecções do Primeiro-Ministro a aumentar o salário dos funcionários públicos, propondo que o salário dos políticos a eles fosse indexado, argumentando que o próprio Primeiro-Ministro ganhava menos do que ele, como seu Secretário Permanente. Com a continuação destas medidas, provavelmente em breve os Ministros e Deputados ganharão menos do que os seus assessores e adjuntos e os Directores-Gerais que deles dependem.

 

Não me parece que este tipo de medidas demagógicas contribua minimamente para que os sacrifícios que se pedem aos cidadãos sejam por eles aceites sem protesto. Para a aceitação desses sacrifícios, o que é fundamental é a confiança nas políticas governamentais. Ora, é aí que reside precisamente o nosso maior défice.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 11:17








comentários recentes

  • Anónimo

    caso não saiba, as eleições para a constituinte fo...

  • s o s

    carissimo, sendo que nao divaga, antes se restring...

  • Alfredo

    Pois,E só de pensar que temos em Portugal um parti...

  • Vasco

    São votos de mão no ar e por unanimidade à boa man...

  • Francisco Ribeiro

    Como rebate as posições contrárias da PGR e do Pro...

  • cheia

    Que adianta a quantidade?? 64 não chegam?? Mesmo q...

  • ANTONIO SILVA

    TEM TODA A RAZÃO! MAIS VALE TARDE DO QUE NUNCA! OS...

  • alfredo

    Caro Sr. Henrique Neto, Sou uns poucos anos mais n...

  • Francisco F.Martins

    Realmente este sr.Henrique Neto tem cara de quem e...

  • Etan Cohen

    Este senhor que, dizem, quando era novo andava de ...