Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A mensagem de Natal do Primeiro-Ministro.

Segunda-feira, 26.12.11

Na sua mensagem de Natal o Primeiro-Ministro pôs o dedo na ferida, quando referiu que o problema principal da sociedade portuguesa é a falta de confiança. Efectivamente, como ele referiu, “a confiança é um activo público, é um capital invisível, é um bem comum, determinante para o desenvolvimento social, para a coesão e para a equidade” e “são os laços de confiança que formam a rede que nos segura a todos numa mesma sociedade”. É por esse motivo que “um dos objectivos prioritários do programa de reforma estrutural do Governo consiste precisamente na recuperação e no fortalecimento da confiança”. Não posso concordar mais com essas palavras. O problema é que a confiança não se obtém com palavras, ganha-se ou perde-se através de actos concretos. Ora, um Estado que nos últimos tempos fez aplicar impostos retroactivos, cortou salários e pensões, e diz aos cidadãos que o seu futuro está na emigração é um Estado em que por definição ninguém confia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:23





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Visitas

free hit counter




comentários recentes

  • Anónimo

    Tinha que vir a homofobia.

  • Jorge Mra

    Ele foi 1º ministro numa situação esdrúxula visto ...

  • Anónimo

    Este syntagma é danado. Não gosta do Santana flope...

  • Anónimo

    Esta é a versão portuguesa da lei de Godwin?

  • Anónimo

    Julgávamos que o D Sebastião tinha morrido em Alcá...

  • Anónimo

    O amigo anónimo do syntagma nem faz ideia do que o...

  • Anónimo

    estude anónimoe muito fácil baixar de 11% . É cort...

  • Anónimo

    Discordo em absoluto. Se o meu caro syntagma expli...

  • Jaime Menezes

    Ontem vi e ouvi, uma estranha (ou talvez não) comé...

  • Anónimo

    E pronto, a sua experiência pessoal refuta as expe...