Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um partido desfeito.

Terça-feira, 15.01.13

 

Uma das consequências que a era Sócrates trouxe para o PS foi arrasar completamente a sua credibilidade por muitos e bons anos, sem que nenhum militante tivesse dado um passo para evitar o descalabro do seu partido. Em Março de 2011, nas vésperas de um pedido de ajuda externa, depois de ter aumentado os salários aos funcionários públicos, baixado o IVA e insistido no TGV, e ainda com o caso TVI e outros quejandos, Sócrates conseguia ser reeleito secretário-geral do PS com 93% dos votos. Com a fuga de Sócrates para Paris, após a quase-bancarrota do Estado, o PS atirou-se para os braços de Seguro, uma versão socialista de Passos Coelho, mas é evidente que o partido não está pacificado. A única razão para Seguro ainda não ter caído é a obsessão de António Costa pela destruição de todas as vias de trânsito em Lisboa, em ordem a transformar a cidade num paraíso para as ciclovias. No dia em que António Costa achar que já construiu ciclovias suficientes em Lisboa, Seguro bem pode apanhar também uma bicicleta e ir pedalar para outro lado.

 

O caso da ADSE aqui descrito demonstra assim um partido em estado de delírio absoluto. O coordenador do PS para a saúde acha que os funcionários públicos ainda não sofreram bastante e propõe a extinção do seu subsector de saúde porque "é um sistema único na Europa e é injusto". Mas a seguir o líder parlamentar, que talvez devesse ter previamente coordenado o coordenador, vem dizer que "o PS não é a favor da extinção da ADSE". Face a isso, esperar-se-ia a demissão do coordenador, mas ele limita-se a dizer que só deu uma opinião pessoal de que foi feito um "aproveitamento miserável". Está visto que as opiniões pessoais do coordenador da saúde do PS não são para levar a sério e devem ser ignoradas. Mas os ex-Ministros da Saúde do PS como Correia de Campos e Ana Jorge afinal levam-no a sério e são claramente favoráveis à extinção da ADSE. Resta saber porque não a extinguiram então quando foram governo.

 

Entretanto já começaram logo as vozes do PS a bater na liderança. Com uma clareza extraordinária e um enorme sentido de oportunidade, Sérgio Sousa Pinto diz isto: "O futuro da ADSE está a dilacerar o PS. A ala situacionista-parlamentarista-pós-socialista enfrenta a ala oficialista-situacionista-ratista-neo-socialista e a nova sensibilidade europeista-situacionista-ex-socialista-anti-tabagista. Reclamo um Congresso antecipado". Já José Lello parece demonstrar muito maior realismo e diz o seguinte: "a maioria dos funcionários públicos são eleitores do PS. Se o PSD malhava nos funcionários públicos, o PS também teria aí de molhar a sopa. Se eles tinham um Moedas, o PS aspiraria a ter, pelo menos, uns moedinhas!".

 

Desgraçado do país que tem que aturar com políticos destes. Para além de um péssimo governo, temos ainda um desastre de oposição. Portugal está definitivamente perdido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 12:34








comentários recentes

  • Anónimo

    caso não saiba, as eleições para a constituinte fo...

  • s o s

    carissimo, sendo que nao divaga, antes se restring...

  • Alfredo

    Pois,E só de pensar que temos em Portugal um parti...

  • Vasco

    São votos de mão no ar e por unanimidade à boa man...

  • Francisco Ribeiro

    Como rebate as posições contrárias da PGR e do Pro...

  • cheia

    Que adianta a quantidade?? 64 não chegam?? Mesmo q...

  • ANTONIO SILVA

    TEM TODA A RAZÃO! MAIS VALE TARDE DO QUE NUNCA! OS...

  • alfredo

    Caro Sr. Henrique Neto, Sou uns poucos anos mais n...

  • Francisco F.Martins

    Realmente este sr.Henrique Neto tem cara de quem e...

  • Etan Cohen

    Este senhor que, dizem, quando era novo andava de ...