Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A grande ilusão.

Domingo, 21.06.15

 

António Costa acusa Passos Coelho de criar a ilusão de que o país está melhor. Trata-se de uma ilusão tão grande que até António Costa foi iludido. Afinal não foi ele que há quatro meses foi dizer à comunidade chinesa que Portugal está melhor hoje do que há quatro anos? Mas António Costa não é ilusionista e por isso não faz promessas que não pode cumprir, como a abolição ou redução das portagens na via do Infante. António Costa limitou-se a descobrir a solução para a crise. A solução não está nem "na saída do euro, nem na prossecução da austeridade". Está na "coesão e convergência das economias europeias". Acho que o Syriza fez mais ou menos a mesma promessa, de que iria abolir a austeridade sem sair do euro, apostando na coesão e convergência dos restantes países europeus. Os quais, diga-se de passagem, não lhe têm faltado com o seu apoio nesta fase crítica.

 

Mas António Costa tem todas as garantias para conseguir ter sucesso nas suas promessas eleitorais. Para isso conta com o seu candidato presidencial que já avisou que, se for eleito (longe vá o agoiro), vai exigir que as promessas eleitorais sejam cumpridas. Isto porque, como bem salienta o candidato, "um Presidente da República pode exigir que as promessas sejam cumpridas. Pode exigir e vigiar e se entender que as promessas não estão a ser cumpridas, deve usar todos os meios ao seu dispor para encetar uma renovação política". Ficamos assim a saber que Sampaio de Nóvoa admite demitir o governo e dissolver a assembleia, se chegar à conclusão que as promessas feitas na campanha não estão a ser cumpridas. Se calhar alguém já lhe chamou a atenção de que a assembleia pode nesse caso renovar a confiança no governo, ou o país reeleger novamente o mesmo partido, caso em que ao presidente só resta renunciar ao cargo. Mas isso não preocupa nada o candidato. "Serei um Presidente da República despojado porque não tenho nenhuma carreira política ou outra qualquer pela frente. Não hesitarei nunca em tomar as decisões que eu ache que devem ser tomadas”. Teríamos assim um Presidente cheio de iniciativa. Como o próprio assume: "Todos os dias acordarei a pensar e a mobilizar os portugueses para as grandes causas”.

 

Estes dois precisam rapidamente de um profundo mergulho na realidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 11:06


4 comentários

De Artur Gonçalves a 21.06.2015 às 17:26

E se o Luís Menezes Leitão desse o mergulho primeiro?

De José a 21.06.2015 às 19:37

Qual é o problema de um Presidente da República cumprir a sua obrigação de manter a confiança das pessoas nas instituições? Para que isso aconteça, é um grande passo demitir qualquer governo que não cumpra as promessas eleitorais. Depois, se os portugueses quiserem,repetem o erro, mas dessa vez já estão informados sobre o que se segue e a escolha é tomada com conhecimento de causa.

De Anónimo a 21.06.2015 às 22:11

OU....GRANDE DESILUSÃO QUE SÃO VOÇES OS DOIS ????????????????????

De estupefacto a 21.06.2015 às 22:57

Mas estes dois indivíduos ainda acham que o povo vai em contos da carochinha? Se houvessem leis de facto a proibir a venda da banha da cobra e a obrigar que as promessas que fazem fossem cumpridas certamente não teríamos aqui tanto feirante!

Comentar post








comentários recentes

  • Anónimo

    caso não saiba, as eleições para a constituinte fo...

  • s o s

    carissimo, sendo que nao divaga, antes se restring...

  • Alfredo

    Pois,E só de pensar que temos em Portugal um parti...

  • Vasco

    São votos de mão no ar e por unanimidade à boa man...

  • Francisco Ribeiro

    Como rebate as posições contrárias da PGR e do Pro...

  • cheia

    Que adianta a quantidade?? 64 não chegam?? Mesmo q...

  • ANTONIO SILVA

    TEM TODA A RAZÃO! MAIS VALE TARDE DO QUE NUNCA! OS...

  • alfredo

    Caro Sr. Henrique Neto, Sou uns poucos anos mais n...

  • Francisco F.Martins

    Realmente este sr.Henrique Neto tem cara de quem e...

  • Etan Cohen

    Este senhor que, dizem, quando era novo andava de ...