Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O ridículo do Nobel.

Sábado, 22.10.16

Já tinha escrito aqui o que pensava do disparate da atribuição do Nobel a Bob Dylan. Agora o único autor que de facto deve ter merecido o prémio nos últimos vinte anos, Vargas Llosa, veio criticar a escolha e perguntar se da próxima vez dão o prémio a um futebolista? Acho de facto que a pergunta faz todo o sentido, uma vez que pelo mesmo critério de escolha de Bob Dylan, até as frases de Jorge Valdano poderiam aspirar a um Nobel.

 

Bob Dylan é um excelente autor de canções, mas não é comparável a qualquer escritor a sério. Nunca os textos das suas canções recolhidos em livro podem sequer ser comparados às extraordinárias obras de Vargas Llosa, como A Festa do ChiboA Guerra do Fim do MundoO sonho do Celta ou mesmo até o último Cinco Esquinas. O problema é que muitas pessoas endeusam os cantores da sua juventude e fazem tudo para os premiar, caindo no ridículo. O critério que fez o júri sueco premiar Bob Dylan é o mesmo que fez o Presidente Jorge Sampaio condecorar os U2 com a Ordem da Liberdade: homenagem em saudosismo pela juventude perdida. É também a mesma coisa que faz Marcelo evocar a sua juventude para aplaudir oficialmente a atribuição deste prémio Nobel, e insistir em ver Fidel Castro ao vivo quando se deslocar a Cuba.

 

A questão é que os próprios homenageados também acham ridícula a homenagem. Os U2 foram ao Palácio de Belém receber a condecoração vestidos informalmente e Bob Dylan nem sequer se dá ao trabalho de atender o telefone ao júri sueco, quanto mais deslocar-se a Estocolmo para receber o prémio. Fidel Castro é também capaz de receber Marcelo em fato de treino enquanto aguarda pela enfermeira para os tratamentos matinais. Se há coisa que pessoas em funções de responsabilidade nunca podem perder é a noção do ridículo. Infelizmente esta gente há muito que a perdeu.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 11:43


4 comentários

De Joana Miguel Sousa a 24.10.2016 às 00:07

Ridícula é a importância que confere à indumentária e ao protocolo comportamental.
Acaso não veio ao Mundo, nu, como os restantes mortais?
E acaso não lhe vai suceder exactamente o mesmo, quando o seu tempo de vida se extinguir?

Talvez falta de cultura em matéria de Filosofia e muita fartura de visionamento de compêndios de conduta. Não?!

Cumprimentos.

De Ana Correia a 24.10.2016 às 06:08

Sinceramente, eu e outras pessoas não compreendemos a atribuição do Nobel, então ele nao é cantor.?

De joao a 24.10.2016 às 09:52

O que vos dói é serem incompetentes em ter qualidade para ascender a um prémio nobel.
O premio Nobel de Literatura não está dedicado a prosa mas também a poesia.
Nos E.U.A alguns dos melhores poetas estão ligados à música.
Em Portugal denomina-se de poeta um Manuel Alegre ou um Arys dos Santos, que tiveram muitas letras suas transformadas em canções. O problema é que nenhum deles sabia tocar, cantar e compor música.
Quem será o melhor poeta dos E.U.A. da segunda metade do sec. XX? Ele mesmo, Robert Zimmerman!!

De José a 26.10.2016 às 10:12

É uma opinião que devo respeitar, mas da qual discordo em absoluto.
Bob Dylan (um cantor dos meus tempos) ao ignorar a distinção revelou arrogância e falta de educação.

Comentar post








comentários recentes

  • Mª M.

    Mas esta criatura, vai mesmo até ao final do manda...

  • PiErre

    Quase tudo bem, mas, diga-se o que se disser, a Gu...

  • edite

    Acho que vai voltar

  • pvnam

    É um case-study para a história: a forma como as m...

  • castanheira antigo

    Os jornalistas fazem parte do sistema politico cor...

  • José

    É uma opinião que devo respeitar, mas da qual disc...

  • joao

    O que vos dói é serem incompetentes em ter qualida...

  • Ana Correia

    Sinceramente, eu e outras pessoas não compreendemo...

  • Joana Miguel Sousa

    Ridícula é a importância que confere à indumentári...

  • edite

    Também sou da mesma opinião:)