Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mário Soares (1924-2017)

Sábado, 07.01.17

É quase impossível exprimir o sentimento de perda perante o desaparecimento de Mário Soares, o verdadeiro fundador do regime democrático, que a ele deve praticamente tudo. Na verdade Mário Soares foi simultaneamente a maior figura da oposição ao regime anterior, o político combativo que enfrentou na rua a deriva totalitária durante a revolução, o homem que construiu a nossa constituição e depois aceitou revê-la num sentido mais liberalizante, e finalmente o homem que comandou a integração de Portugal na Europa. Três vezes primeiro-ministro, duas vezes presidente da república, Mário Soares é seguramente a maior figura política do actual regime constitucional.

 

Nesta hora em que nos deixa, acho que a melhor forma de o recordar é evocando as palavras de André Malraux em 1946 sobre outro grande estadista, o General de Gaulle, cuja manifestação nos Champs Elysées contra o Maio de 1968, aliás inspiraria Soares no comício da Fonte Luminosa: "Conheci um número relativamente elevado de homens de Estado, mas nenhum — e de longe — que tivesse a sua grandeza. Para compreender a sua acção é preciso não esquecer que ele é um homem de destino e que sabe que o é. O homem de um grande destino, talvez trágico, de qualquer forma dramático… Fazem-me rir todos aqueles grotescos que lhe pedem contas. Não o seguimos para sermos pagos. Ele não deve nada a ninguém". É o país em geral que tem uma dívida enorme a Mário Soares e que, neste momento em que nos deixa, deveria reconhecer adequadamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 17:58

Viagem ao Egipto (4).

Sábado, 07.01.17

DSC00132.JPG

O ex-libris do Cairo é o Museu Egípcio, seguramente o mais rico museu do mundo em arte egípcia, ainda que um dos últimos a ser fundado. Efectivamente poucas pessoas sabem que o primeiro museu egípcio do mundo é o museu de Turim, resultante da aquisição da colecção de Bernardino Drovetti, que foi Cônsul da França no Egipto entre 1825 e 1829, período durante o qual recolheu colecções fantásticas de peças, múmias, e papiros. Drovetti propôs-se vender a sua principal colecção ao  Estado Francês, mas foi rejeitada essa proposta, acabando por isso a mesma por ser comprada por uma fortuna em 1824 pelo Rei Charles Felix do Piemonte, que instalou o museu na sua capital, Turim. A inveja que causou noutras cidades europeias esse magnífico museu (que já visitei) levou a que Charles X de França adquirisse a Drovetti outra parte da colecção para integrar o Louvre. Finalmente uma última parte da colecção seria adquirida pelo prussiano Karl Lepsius, que com base nela fundou o Museu Egípcio de Berlim.

DSC00205.JPG

Enquanto que em toda a Europa se fundavam museus a partir das peças subtraídas ao Egipto, o Egipto permanecia apenas como um museu a céu aberto, de onde qualquer pessoa podia retirar tudo. Só em 1858 foi criado o Serviço de Antiguidades do Egipto, que pretendeu evitar a pilhagem das peças, tendo desempenhado papel importante nessa criação Auguste Mariette, conservador do Louvre, que ofereceu a sua colecção pessoal para fundar em 1863 o museu do Cairo, no Bairro de Bulak. Em 1900 transitaria para a Praça Tahrir onde ainda hoje se encontra, mas está em fase de acabamento um novo museu, um grande edíficio nas proximidades.

DSC00155.JPG

Na suas notas de viagem sobre o Egipto, Eça de Queiroz recorda a sua visita ao Museu de Bulak: "O Museu fica à beira do Nilo. As suas varandas abrem sobre a água que corre em baixo, larga e luminosa junto a um bosque de palmeiras. O Museu é novo, branco, polido, envernizado, estofado, alcatifado. Ali estão reunidas vetustas antiguidades egípcias, velhas de milhares de anos, tiradas do fundo dos templos, da escuridão das sepulturas, das câmaras obscuras dos pilones. Estátuas de faraós, ainda com a pintura fresca e delicada, esfinges, toda a sorte de deuses, com cabeças de cães, de chacais, de dromedários, de abutres; deuses nus, delgados, com grandes colares sobre o peito, coroados de plumas de avestruz, de crescentes, de flores de loto; estátuas hieráticas, sentadas, com as mãos espalmadas sobre os joelhos; figuras de sacerdotes e de negros; múmias de faraós, de rainhas, de ibis, de gatos, de bois e de crocodilos; colares, jóias, símbolos religiosos, armas de guerra; pequenas figuras de deuses com que se cobre o peito das múmias; anéis, escaravelhos, sinetes — todas aquelas maravilhas perdidas estão ali, numeradas, classificadas, limpas, asseadas, sob as suas vitrinas novas".

DSC00220.JPG

Hoje não é exactamente assim. O grande problema do Museu do Cairo é que é mais um depósito do que um museu. Não havendo uma ordenação clara das diversas salas, o visitante perde-se entre peças oriundas de períodos históricos muito distintos. Em qualquer caso é uma emoção encontrar pela primeira vez peças tão famosas como o casal Rahotep e Nofret, e admirar a beleza de uma mulher egípcia, sempre jovem apesar dos seus 4.000 anos de idade.

DSC00169.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:02





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031




comentários recentes

  • Anónimo

    Aconselho ao Luís que emigre para a China. Lá quem...

  • Anónimo

    Disparate! O PSD nunca foi tão PSD como no tempo d...

  • Anónimo

    Foi o 1o líder do PSD que eu considero votar desde...

  • O sátiro

    Manifestamente RR está a ser um desastre que ning...

  • Financiador de Subsídios

    Claro, Os gajos de direita são uns ladrões que "ro...

  • Anónimo

    Mais um polvo que está a sentir as ventosas a desa...

  • Jose Hilario Jesus

    Este papagaio, canta ,canta,mas não encanta, está ...

  • Anónimo

    Mas o que é que esta tomada de posição tem a ver c...

  • Anónimo

    O RR é um cepo. Sempre foi. Não passa dum merceeir...

  • Anónimo

    Caro Luis Leitão julgo que andou demasiado tempo à...




subscrever feeds