Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A nova candidatura de Hillary Clinton.

Terça-feira, 30.10.18

ba1.jpg

Hillary Clinton admite voltar a concorrer à presidência dos Estados Unidos. Espera-se naturalmente o mesmo retumbante sucesso que teve da outra vez, em que arrasou completamente a candidatura de Donald Trump.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:50

Ministros demitidos enquanto aprovavam orçamento.

Sábado, 20.10.18

24969837.JPG

Para mim, isto é demasiado baixo para constituir sequer falta de sentido de Estado. Representa pura e simplesmente deslealdade e grosseria para com pessoas que, bem ou mal, estavam a exercer com sacrifício um cargo público.

Adenda: Este se calhar aparece agora a dizer isto tão rapidamente porque tem medo de ser também demitido sem o saber.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 10:54

A segunda volta das eleições brasileiras.

Sexta-feira, 12.10.18

bolsonaro_x_haddad.jpg

O que esta sondagem demonstra é que os brasileiros neste momento estão com mais medo do que pode trazer um outro governo do PT do que de Bolsonaro. Se defendesse efectivamente a democracia, Haddad deveria renunciar e deixar Ciro Gomes disputar a segunda volta. Este não tem anticorpos e poderia facilmente derrotar Bolsonaro, unindo à sua volta todos os seus opositores. Já se viu que Haddad não consegue fazer isso. Pelo contrário, aparece a dar entrevistas em que não é sequer capaz de criticar o que se passa na Venezuela e até chegou a propor eleger uma assembleia constituinte como Maduro fez. Isto num momento em que o Brasil assiste a uma verdadeira invasão de refugiados venezuelanos, em fuga do regime de Maduro. Com esse discurso e essa atitude, não me parece que Haddad consiga vencer Bolsonaro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:33

O silêncio dos deputados.

Quinta-feira, 11.10.18

Parece que alguns deputados do PSD se andam a queixar de ser silenciados por Fernando Negrão. Mas eles não podem simplesmente pedir a palavra como no "Mr. Smith goes to Washington"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 18:04

A comédia de Bolsonaro.

Quarta-feira, 10.10.18

Se há coisa que os comediantes televisivos americanos sabem fazer é arrasar completamente um candidato. Não conseguiram impedir desta forma a eleição de Trump, mas não há dúvida de que na altura lhe causaram bastante mossa. Mesmo que isso não o impeça de ganhar as eleições, a tareia que Bolsonaro leva neste vídeo é absolutamente épica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 06:26

Lula e Haddad.

Terça-feira, 09.10.18

haddad-fernando-1.jpg

Tem havido grande comparação entre as actuais eleições presidenciais brasileiras e as presidenciais portuguesas de 1986, onde Freitas do Amaral, que tinha tido 46% na primeira volta, acabou derrotado por Mário Soares que conseguiu subir de 25% para 51% na segunda volta, unindo toda a esquerda em seu redor. Mas o grande feito de Mário Soares na altura foi ter conseguido ultrapassar Salgado Zenha, que tinha o apoio do Presidente Eanes. Soares estava com uma popularidade baixíssima, depois de um governo desastrado, e Eanes tinha níveis de popularidade estratosféricos. O problema foi que Salgado Zenha tentou colar-se demasiado a Eanes, dizendo constantemente que na presidência o iria sempre ouvir e seguir. Na altura a Associação Académica da minha Faculdade organizou uma sessão de esclarecimento em que os alunos faziam perguntas aos candidatos, sendo as perguntas arrasadoras. A Zenha um aluno perguntou-lhe apenas isto: "Se ele fosse eleito, Portugal iria ter um Presidente da República, na verdadeira acepção da palavra, ou iria ter um pau mandado?" Fiquei nessa altura convencido de que a candidatura de Zenha tinha acabado ali. E também me está a parecer que desta forma este não vai longe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 06:53

As eleições no Brasil.

Segunda-feira, 08.10.18

Os resultados das eleições brasileiras mostram um país à beira do abismo, com um candidato de extrema-direita radical quase a ser eleito à primeira volta. Isto é um sintoma de uma sociedade em colapso, onde um povo está disposto a trocar a sua liberdade por uma simples promessa de segurança. Mas é verdade que a insegurança no Brasil atingiu o extremo. Estive em São Paulo no fim de Agosto e, quando me levaram a jantar, avisaram-me de que podia estar tranquilo porque o carro era blindado. No dia seguinte de manhã, vi na televisão que um desgraçado que tinha ido de bicicleta comprar pão, como fazia todos os dias, fora morto sem qualquer motivo, apenas por uma bala perdida. Pensei logo que num país que se deixa chegar a este ponto tudo pode acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:12

A crise na Catalunha.

Segunda-feira, 01.10.18

735035_img650x420_img650x420_crop.jpg

Se alguém julgava que a repressão sobre os independentistas catalães resolvia alguma coisa, hoje descobriu, passado um ano do referendo, que está tudo na mesma ou ainda pior. Enquanto Pablo Casado acha agora que se devem ilegalizar todos os partidos independentistas, o governo de Sánchez já reconhece que a carga policial de há um ano foi um erro e que só o reforço do autogoverno da Catalunha pode resolver a profunda crise territorial, política, económica e social a que a obstinação do governo de Rajoy conduziu a Espanha. Enquanto que em Barcelona se exige a República, o Rei de Espanha evita sequer aparecer em público nestes dias. E perante as aspirações independentistas do povo catalão não vale a pena afirmar que já há muitos habitantes da Catalunha que têm o castelhano como língua materna. Também havia muitos habitantes da Irlanda que tinham o inglês como língua materna e não foi por isso que a Irlanda deixou de ser independente do Reino Unido. O movimento independentista irlandês chamava-se precisamente "Sinn Féin" que significa em irlandês "nós sozinhos". Para qualquer movimento independentista é sempre apenas isso o que está em causa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 16:56

# Ele Não?

Segunda-feira, 01.10.18

Acho a estratégia de combate a Bolsonaro que está a ser seguida no Brasil completamente errada. Um slogan de campanha a dizer "ele não" equivale a dizer "todos menos ele", o que dá a entender aos eleitores que nenhum outro candidato é suficientemente bom para lhe disputar a eleição. Isso também aconteceu nos EUA em que o partido democrata, em vez de louvar as qualidades de Hillary Clinton, assentou a campanha nos defeitos de Donald Trump, com o resultado que se viu. Esse é um erro básico de estratégia em qualquer campanha. Como dizem os especialistas, "there's no such thing as bad publicity".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 09:25





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




comentários recentes

  • Anónimo

    MRS é constitucionalista, professor catedrático. T...

  • Sarin

    Há uns meses largos, talvez anos, não percebia mui...

  • Anónimo

    "quando existe um ataque desta ordem por parte de ...

  • João Marcelino

    Depois do que aconteceu na Nova Zelândia, era de e...

  • Manuel da Rocha

    Quando o parlamento vota propostas que se contrapõ...

  • Anónimo

    Ouvi dizer que não é bem assim, que o governo mant...

  • Anónimo

    Só que Sá Carneiro era social-democrata, de centro...

  • Anti-racistas

    Racista de merda. Se queres fazer comentários raci...

  • Hipocrisia

    "Não devia ser permitido opiniões de anónimos é um...

  • Anónimo

    Nos anos 80 era normal entrar num café-bar e, logo...




subscrever feeds