Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A crise em Espanha.

Quarta-feira, 13.02.19

https---cdn1.newsplex.pt-media-2019-2-12-fb-679056

O governo de Pedro Sánchez foi o segundo governo espanhol a cair através do voto dos deputados catalães. Ou Espanha resolve de vez a questão catalã ou ameaça tornar-se ingovernável. É tão simples quanto isto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 12:33

O bocejo das europeias.

Quarta-feira, 13.02.19

05f5e6053c778a8dd090283df6b06e5e9d52c550.jpg

A capacidade de renovação da nossa classe política é demonstrada pelas listas ao Parlamento Europeu.

O PSD apresenta novamente como cabeça-de-lista Paulo Rangel, repetindo o mesmo candidato de 2009 e 2014. Para que a lista tenha algum sangue novo é-lhe acrescentado Mota Amaral, um neófito nestas andanças, embora tenha tido a experiência de ter integrado o Parlamento nacional desde a ala liberal de Marcello Caetano. O CDS apresenta outra vez Nuno Melo, como já tinha apresentado em 2009 e 2014. Quanto ao PCP e ao Bloco reincidem respectivamente em João Ferreira e Marisa Matias, que já tinham sido cabeças-de-lista em 2014, mas que estão no Parlamento Europeu desde 2009. Como o cargo de deputado europeu não deve exigir muito tempo, ainda tiveram possibilidade de, durante este mandato, se candidatarem a outras eleições, Marisa Matias à Presidência da República, e João Ferreira à Câmara Municipal de Lisboa. Este último, aliás, consegue a proeza de acumular o cargo de deputado europeu em Bruxelas e Estraburgo com o de vereador em Lisboa, demonstrando a facilidade com que se podem exercer em simultâneo dois cargos públicos com 2000 km de distância entre eles.

O único partido a efectuar uma renovação das suas listas é o PS, mas bem se compreende porquê. António Costa não perdoa a qualquer desalinhado e Francisco Assis, por muito tímidas que tenham sido as suas divergências,  não se mostrou apoiante da geringonça montada pelo querido líder. É por isso o único a receber guia de marcha de volta à paróquia.

De qualquer forma o povo português já sabe para que é que servem as eleições europeias. Destinam-se a eleger 21 deputados, que irão regiamente pagos para um parlamento com poderes extremamente reduzidos e onde raramente estão. É natural por isso que as listas se mantenham imutáveis, pois deve haver muitos poucos candidatos para tão grande sacrifício. Daqui resulta que as europeias vão ser um bocejo monumental para os portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 11:47





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728




comentários recentes

  • Anónimo

    Com ele vivi os momentos mais belos da democracia,...

  • Anónimo

    Muito bom e foi importante referir a sua atitude, ...

  • Anónimo

    Os grandes homens fazem os pequenos parecer ainda ...

  • Filomena Lemos Veloso

    Excelente

  • Anónimo

    Já reservar umas tantas vagas para estrangeiros qu...

  • Anónimo

    MRS é constitucionalista, professor catedrático. T...

  • Sarin

    Há uns meses largos, talvez anos, não percebia mui...

  • Anónimo

    "quando existe um ataque desta ordem por parte de ...

  • João Marcelino

    Depois do que aconteceu na Nova Zelândia, era de e...

  • Manuel da Rocha

    Quando o parlamento vota propostas que se contrapõ...




subscrever feeds