Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Citação clássica (2).

Segunda-feira, 07.05.18

Sobre isto, resta-me mais uma vez recordar a sabedoria dos antigos: "Donec eris felix, multos numerabis amicos; tempora si fuerint nubila, solus eris" (Ovidius, Tristia, I, 9, 5,).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:07

Et tu, Brute?

Quinta-feira, 03.05.18

Detail-of-Vincenzo_Camuccini_-_La_morte_di_Cesare-

 João Galamba diz que Sócrates "envergonha qualquer socialista".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:07

Entrevista literária.

Sexta-feira, 24.11.17

Pode ver-se aqui uma entrevista sobre os livros de um autor consagrado e que tem tido um enorme sucesso de vendas em Portugal. A não perder.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 17:35

Com amigos assim…

Segunda-feira, 18.09.17

 

Costuma dizer-se que a vingança é um prato que se come frio. Neste caso está a ser servido gelado. Sócrates tem há muito tempo velhas contas a ajustar com o PS de António Costa, que lhe tirou completamente o tapete e o deixou sozinho e ignorado. Por isso Sócrates aparece agora a "apoiar" Medina, desde há muito o delfim de Costa, pretendendo misturar na opinião pública o seu caso com o dele, em plena campanha eleitoral. Imagine-se isto como slogan de campanha: "Sócrates e Medina, a mesma luta". Com amigos assim…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 12:22

Porreiro, pá!

Quarta-feira, 29.06.16

Grande parte dos sarilhos que a União Europeia está agora a atravessar deve-se ao Tratado de Lisboa, que constituiu uma forma encapotada de impor aos cidadãos a mesma Constituição europeia que tinha sido estrondosamente rejeitada em referendo na França e na Holanda. Na altura Sócrates e Barroso alinharam nessa mascarada vergonhosa, através da qual os líderes europeus fizeram questão de tomar os seus próprios cidadãos por parvos. Agora Sócrates, como se nada tivesse a ver com o assunto, escreve um artigo a criticar o défice democrático da União Europeia, a que chama "o desencantamento". Eu chamar-lhe-ia antes "o descaramento". O Tratado de Lisboa foi exigido pelos Estados grandes para lhes permitir manter a maioria no Conselho, mesmo depois das sucessivas adesões de novos países à União Europeia. Sócrates aplicou escrupulosamente a receita que lhe encomendaram e agora queixa-se de défice democrático? Só para rir.

 

O resultado desta cegueira europeia está bem à vista no discurso triunfante de vitória de Nigel Farage no Parlamento Europeu. Descontando a agressividade e os insultos, há uma coisa em que Farage tem razão: o motivo pelo qual os ingleses votaram pelo Brexit foi precisamente pelo facto de lhes terem imposto pela fraude uma união política, sem o mínimo cuidado de assegurar o consentimento dos povos. E agora, perante o falhanço total desse projecto, com a moeda europeia a revelar-se um desastre para os países do Sul, a União Europeia vive em estado de negação, persistindo em nada fazer. E a única coisa que os seus apoiantes têm para dizer é que a integração europeia assegurou 70 anos de paz na Europa. O Império Romano também assegurou 400 anos de paz na Europa e acabou por cair às mãos daqueles que dominava.

 

O projecto europeu de Schumann e Monet sempre assentou na construção da unidade europeia através de pequenos passos. Desde o falhanço da Comunidade Europeia de Defesa em 1953 que se sabe que é um risco enorme avançar precipitadamente em projectos de integração que não têm garantido o adequado consenso. No caso do Tratado de Lisboa sabia-se perfeitamente que não só não havia consenso, como havia uma vontade popular clara no sentido da sua rejeição, como ficara demonstrado pelos referendos negativos à constituição europeia. Avançou-se ainda assim e hoje os resultados estão à vista. Quando se fizer a história do início do fim do projecto europeu é a imagem de cima que ficará. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 07:47

A vingança.

Terça-feira, 08.09.15

Já tinha escrito aqui que a tentativa de António Costa de querer evitar que a libertação de Sócrates se misturasse com a campanha do PS não passava de wishful thinking. Na verdade, sempre achei que a ascensão de António Costa a líder do PS, com a ajuda dos socráticos, tinha como objectivo claro o apoio do PS à candidatura presidencial de Sócrates, o que António José Seguro nunca autorizaria. Precisamente por esse motivo, o facto de António Costa ter desligado o PS de Sócrates, a partir do momento em que este foi preso, foi visto por Sócrates como uma traição, à qual este não deixaria de retaliar.

 

Fê-lo precisamente agora com uma irónica declaração de apoio a António Costa. Depois de António Costa ter declarado que não respondia a perguntas sobre José Sócrates já que estava mais concentrado em responder às preocupações dos portugueses, Sócrates responde que está ao lado do PS e de António Costa e que agradece "aos militantes e simpatizantes do PS o apoio e o companheirismo sem falhas que sempre me dispensaram e tanto me sensibilizaram". Há quem possa ver nisto apenas uma indirecta. Para mim, isto é pelo contrário um directo dado por Sócrates em António Costa.

 

Diz o povo que a vingança é um prato que se come frio. Este está a ser servido gelado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 10:33

Isto ainda agora começou.

Terça-feira, 30.06.15

Esta entrevista de José Sócrates é um tiro mortal em António Costa, precisamente na pior altura, quando lhe começam a cair em cima os estilhaços da crise grega, depois do seu irresponsável apoio ao Syriza. Sócrates diz: "Não esperem de mim, em período pré-eleitoral, qualquer palavra que possa prejudicar a liderança do PS. Até porque me ficaria mal". Mas imediatamente a seguir responde à tentativa de António Costa de desligar o PS da sua prisão com uma frase lapidar: "É muito frequente ser difícil distinguir o discurso da responsabilidade do da covardia e da rendição". É assim evidente que Sócrates vai fazer António Costa pagar caro a sua tentativa de colocar o PS num assento etéreo acima de Sócrates. É por isso que Sócrates responde à pergunta sobre se a política para ele acabou com outra resposta elucidativa: "Isto ainda agora começou". Que não haja dúvidas a esse respeito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 09:51

A tragédia do PS.

Quinta-feira, 27.11.14

 

Depois de Mário Soares, apenas José Sócrates conseguiu atingir o estatuto de líder incontestado do PS. Efectivamente, a sombra de Mário Soares pairou sempre sobre todos os outros líderes do PS. Constâncio demitiu-se, acusando Mário Soares de interferência na sua liderança. Depois Soares apoiou a ascensão de Guterres contra Jorge Sampaio, para logo a seguir patrocinar um Congresso "Portugal, que futuro?", destinado a demonstrar que era melhor líder da oposição que Guterres. Quando Guterres chegou a Primeiro-Ministro, Mário Soares chegou ao ponto de declarar estar contra a regionalização no referendo patrocinado por Guterres.

 

Já José Sócrates chegou ao poder apoiado numa forte maioria absoluta, o que lhe deu uma legitimidade própria, que pela primeira vez permitia a um líder do PS sair da sombra de Soares. José Sócrates, porém, nunca afrontou Soares, tendo inclusivamente aceite apoiar uma sua recandidatura à presidência, aos 81 anos, quando era evidente que não tinha quaisquer condições de derrotar Cavaco Silva. É por isso normalíssimo que Soares tenha ido espontaneamente a Évora visitar Sócrates, o que só demonstra elevação de carácter. Soares nunca deixa cair os seus amigos, tendo mesmo, quando era Presidente da República, visitado Bettino Craxi no seu exílio na Tunísia em fuga às condenações da justiça italiana. Outros políticos podem preocupar-se com a sua imagem pessoal ou com as conveniências partidárias. Soares não se move por esses critérios.

 

Curiosamente Sócrates acabou por deixar sobre o PS uma sombra semelhante à de Soares. António José Seguro era opositor declarado de Sócrates e bem lutou contra a sua influência no partido, mas os apoiantes de Sócrates acusaram-no sistematicamente de pôr em causa o legado do seu querido líder. Apesar dos insistentes pedidos destes, António Costa recusou-se sistematicamente a avançar, até ao momento em que percebeu, na noite das europeias, que António José Seguro já tinha conseguido consolidar a recuperação do PS e iria ser o próximo Primeiro-Ministro, o que quebraria definitivamente a influência de Sócrates.  António Costa minizou por isso a vitória eleitoral, dizendo que lhe "sabia a pouco" em comparação com os resultados conseguidos por Sócrates. Bastou essa declaração para que o PS lhe caísse nos braços, saudoso dos tempos gloriosos do anterior líder. Eduardo Ferro Rodrigues proclamou logo no Parlamento que o legado de Sócrates voltava a ser respeitado no partido.

 

É por isso que, Independentemente da presunção de inocência do visado, a detenção de José Sócrates é politicamente mortífera para o PS. Quando tinha acabado de proclamar o retorno ao legado de Sócrates, a última coisa de que este partido precisava era de ser confrontado com acusações de corrupção no governo cujas qualidades não cessava de louvar. Precisamente por isso vários militantes começaram mais uma vez a enveredar por teses da cabala, levando a que António Costa tivesse que comandar as hostes, ordenando a todos os militantes que se afastassem de Sócrates para preservar o PS da situação que o envolvia.

 

Só que se assistiu imediatamente a uma revolta em directo protagonizada por Mário Soares. Este foi imediatamente visitar Sócrates à prisão e proclamou do alto dos seus jubilosos 90 anos que "todo o PS está contra esta bandalheira". António Costa sentiu claramente o desafio, assim como antes dele já tinham sentido Constâncio, Sampaio e Guterres, mas permaneceu mudo e quedo perante este ataque de Mário Soares que poderia incendiar o PS contra ele próprio.

 

Curiosamente, quem sentiu necessidade de reagir em auxílio de António Costa foi o próprio Sócrates. Num inédito comunicado, proferido ao início da noite, proclamou: "Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia". 

 

O que se passou ontem revela assim que não só que António Costa não escapa à sombra de Soares, ao contrário do que sucedia com Sócrates, como também que, mesmo a partir da prisão, a sombra de Sócrates paira igualmente sobre a sua liderança. Uma verdadeira tragédia para o PS na altura em que tudo apontava para uma ascensão imparável em direcção ao poder. António José Seguro é que se deve estar a rir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 08:32

A mentira na política.

Sábado, 08.09.12

Há uns dez anos participei num congresso internacional de juristas, tendo falado com um colega holandês. Ele conhecia Portugal, mas tinha uma opinião muito crítica do país, tendo ficado especialmente perplexo com a degradação dos prédios da cidade de Lisboa, que achava lindíssima, achando inacreditável que nada se fizesse para resolver a situação. Mas o que mais o chocava era a mentira que sistematicamente via nos políticos portugueses. Dizia-me: "Vocês, portugueses, são um povo católico, que é ensinado a tudo perdoar após a confissão dos pecados. Nós somos um povo protestante e por isso somos absolutamente intransigentes com a mentira. Um político que nos tenha mentido uma única vez que seja, por muitas qualidades que tenha, nunca é mais considerado como um político em que possamos confiar, pelo que a sua carreira política acabou".

 

 Na altura pensei logo no caso Profumo e na reacção que sem excepção todos os deputados ingleses tiveram quando perceberam que o Ministro tinha mentido no Parlamento. Ninguém mais o apoiou, nem sequer do seu próprio partido, dizendo-lhe que um político mentiroso devia era ir para casa. Mas na altura achei exagerada a afirmação. O que posteriormente se passou neste anos de chumbo em Portugal fez-me, porém, dar razão a esse diagnóstico. Sócrates foi apanhado a mentir no Parlamento sobre o caso TVI e foi imediatamente desculpabilizado pelos seus deputados que diziam que se tivesse ocorrido não era grave. O inquérito parlamentar que então foi aberto, e que podia ditar a demissão de Sócrates, evitando o que ocorreu posteriormente, foi convenientemente encerrado com o acordo do PSD. E ficou provado que mentir compensa em Portugal.

 

O governo actual tem sido, porém, especialmente refinado na mentira política. Primeiro foram as juras em campanha eleitoral de Passos Coelho a prometer que não haveria aumentos de impostos nem cortes de subsídios. Agora é o anúncio de que uma subida da TSU para os trabalhadores, aliviando-a para os empresários, é para satisfazer a equidade reclamada pelo Tribunal Constitucional. O CDS faz coro na mentira dizendo que uma subida da TSU não é um aumento de impostos. E um vice-presidente do grupo parlamentar do PSD quer-nos convencer com isto de que a culpa da subida da TSU decidida pelo Governo é de um grupo de deputados socialistas que, exercendo as suas competências, solicitaram ao Tribunal Constitucional que declarasse a inconstitucionalidade de uma medida que toda a gente sabia ser inconstitucional.

 

Confesso que já não sei o que me espanta mais. Se o facto de se recorrer à mentira com esta facilidade, se o facto de isto ser feito de forma tão grosseira, julgando que os outros são parvos. Just try harder.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 19:29

A campanha mais longa.

Terça-feira, 05.04.11

A entrevista de ontem à RTP confirmou claramente a estratégia de Sócrates e o seu guião de campanha: responsabilizar a todo o momento os partidos da oposição e em primeiro lugar o PSD pelo tsunami de desconfiança dos mercados que se abateu sobre o país, aproveitando as notícias negativas que todos os dias surgem. Acessoriamente surge ainda a tentativa de responsabilização do Presidente pela crise política, que ontem começou por ser um innuendo, mas que é claro que vai ser desenvolvido durante a campanha. Pelo contrário, o Primeiro-Ministro apresenta-se a si próprio como possuindo sentido de responsabilidade e tendo procurado evitar a todo o custo a crise, atirando para os outros as culpas do agravamento da situação do país.

 

Este tipo de discurso não engana quem esteja minimamente informado, mas tem que se reconhecer que é um discurso eficaz, especialmente porque os jornalistas não conseguem evitar o constante monólogo em que Sócrates transforma as suas entrevistas. O Governo passa unicamente uma mensagem simples de responsabilização dos outros e reitera que a receita que tinha proposto conseguiria evitar o descrédito dos mercados. O PSD deveria responder a esta estratégia ignorando os ataques e apresentando propostas concretas de solução dos problemas, que têm que ser mantidas até ao fim. Dizer num dia que se vai aumentar o IVA para depois desmentir a notícia uns dias depois e logo a seguir falar que o PSD irá ajudar as famílias a pagar as casas ao Banco é precisamente o que não deve ser feito nesta altura. Há que, pelo contrário, denunciar a todo o tempo a situação catrastófica em que o país se encontra, apresentar propostas de solução, e explicar que não há condições para se fazer promessas, quaisquer que elas sejam.

 

Enganam-se aqueles que já dão Sócrates como acabado. O meu caro José Adelino Maltez até lhe chama "o homem que passou", em artigo hoje publicado no DN e aqui no Albergue. A situação tem paralelo com um artigo que Manuel Rodrigues escreveu sobre Salazar em 1938, ao qual deu precisamente esse título, por considerar que Salazar já não tinha futuro como Presidente do Conselho e que era altura das despedidas. Conforme se sabe, Salazar ficou mais trinta anos no cargo. É por isso que acho que Sócrates está muito longe de ser "o homem que passou". É um adversário difícil e vai lutar sem tréguas pela manutenção do poder no quadro de uma estratégia que delineou e que está a seguir à risca. Se ganhar, mesmo com maioria relativa, ninguém se atreverá a derrubá-lo antes de  2015, altura em que se posicionará para substituir Cavaco Silva. Se perder, lançará uma oposição constante ao Governo que o substituir, em ordem a voltar ao Governo em curto prazo ou, se não conseguir, candidatar-se a Presidente em 2015. É por isso que não haverá qualquer pedido de ajuda externa enquanto Sócrates estiver em funções, por muito que os banqueiros esperem e desesperem por essa ajuda.

 

Com notícias como esta e esta a surgir todos os dias, está-se a tornar evidente que vamos ter a campanha eleitoral mais longa da história da democracia. É curioso que as eleições tenham sido marcadas para 5 de Junho, pois estão muito próximas do aniversário do célebre dia D, 6 de Junho de 1944, que representou a viragem na II Guerra Mundial. Simbolicamente o dia 5 de Junho pode implicar igualmente uma viragem na situação do país, mas para isso é preciso apresentar uma mensagem consistente sobre soluções concretas para a crise. Não se promete o céu a quem anda à deriva num mar tempestuoso. Demonstra-se antes que se pode levar o barco a bom porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Luís Menezes Leitão às 17:32





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2018

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930




comentários recentes

  • Anónimo

    Sinceramente, não acho mal que as pessoas - mesmo ...

  • Makiavel

    Para além da lamentável posição de Lopetegui, há q...

  • Anónimo

    palhaço. foi muito bem despedido. PORque nao agu...

  • Anónimo

    Acho que são borocracias indispensáveis,ficaram li...

  • Anónimo

    Já em 1975 Portugal estava de rabinho voltado para...

  • Anónimo

    Quanto à Cristas, a sorte dela é que os democratas...

  • Anónimo

    Só que o Brexit não foi feito devido a ingerências...

  • Anónimo

    Dos jornais à subserviência do PSD ou até mesmo da...

  • Orlando Teixeira

    Não será tanto assim.Na sua arrogância, a maioria ...

  • Anónimo

    Conheço pessoas que votaram no PCP e vão deixar de...


Posts mais comentados